Renove móveis usados e dê novo ar a sua casa

Reciclando móveis usados que podem ser usados no acabamento Economia, preservação da natureza, fim do desperdício ou até mesmo o prazer de procurar materiais, testar ferramentas, serrar, lixar, pintar e criar. Os motivos são muitos para reciclar móveis usados, sejam eles já seus ou comprados em lojas e bazares especializados.

Peças a serem recicladas são atemporais, seja porque são feitas de materiais muito bons e duráveis, seja porque são bonitas e têm valor histórico. Assim, no lugar de comprar novas e caríssimas peças de decoração, é possível se divertir com as mudanças do que é velho, gastando pouco dinheiro. Veja como se faz.

Para botar a mão na massa, é preciso primeiro verificar o estado da peça. As madeiras devem estar livres de cupins, e materiais metálicos não devem ter ferrugem. Caso tenham problemas, veja se é possível consertá-los. Caso contrário, escolha outro móvel. Em seguida, lembre-se que o móvel reciclado deve combinar beleza à funcionalidade. "Tem que ficar bonito e útil para não encostar a mobília de novo!", alerta Moreno, designer de interiores.

Uma máquina de costura antiga, por exemplo, não é aconselhada pelo profissional, simplesmente por questões ergonômicas e de conforto que precisam também ser levadas em consideração. Uma mesa de jantar branca pode não "caber" mais na sua sala. Os gostos mudam, e uma laca preta (ou de qualquer outra cor de sua preferência) pode cair muito bem. "Se há, por exemplo, um vidro transparente no centro da mesa, você troca por um recorte de vidro colorido", ensina Moreno. Mesmo com o custo do vidro, a economia com uma mesa nova será grande. Quem quiser dar uma nova cara à mesa, pode fazê-lo com lixa, tinta e pincel. Moreno não gosta de fazer nem de indicar enxertos para recuperação de peças de madeira que estejam deterioradas, por apodrecimento ou cupins, por exemplo. É o que acontece muitas vezes com tampos de mesa ou mesmo cadeiras. "O problema é que o material enxertado dilata e você percebe a diferença entre ele e a madeira original da mesa", explica.

Outra grande economia acontece com sofás. Os mais antigos têm, geralmente, estrutura de madeira e são bem duráveis, mas os estofados podem não estar mais em seus dias de glória. "Ao invés de pagar de R$ 10 mil a R$ 25 mil num sofá novo e bacana de quatro lugares, você compra um tecido de R$ 4,00/m2, paga um bom artesão e usa o seu dinheiro para comprar itens de decoração que ainda não tem e gostaria muito", aconselha. "Há garimpos nos quais você encontra peças que talvez ache horrorosas – poltronas velhas, aparadores, guarda-roupas - por valores baixos, a R$ 400". Moreno indica as lojas ao longo do Minhocão (Elevado Costa e Silva), em São Paulo, na região de Santa Cecília. Ele comprou uma geladeira velha por R$ 280, pintou-a com spray preto brilhante e revestiu seus interiores de couro. "Serve como armário ou estante de livros. Além de reciclar a geladeira, você dá uma função inusitada ao objeto".

Para fazer as vezes de mesas de centro ou de canto, ele sugere usar grandes carretéis de fio de cobre (usados na rede elétrica), que podem ser encontrados na rua. Um dos lados serve como tampo; o outro como apoio. É possível serrar, na forma desejada, regular sua altura cortando a haste, lixar e pintar. "Para usar a laca, a superfície tem de estar muita lisa e nivelada; para trabalho em casa, melhor mesmo é usar tinta spray comum", indica o decorador. 

Abajures podem ser renovados com uma nova cúpula: "Há lojas de feltros coloridos, baratos e interessantes, além de tecidos que você costura com elásticos". Moreno prefere não indicar seda em poltronas ou sofás, porque além de brilhar muito, o acabamento não fica bom. Este tecido é melhor para costurar almofadas ou cortinas". Use a criatividade: reciclagem de móveis vai bem além do decapê e da pátina, que dão cara "antiga" aos móveis. As peças podem muito bem ganhar cores e detalhes modernos e ficarem com cara de novinhas em folha. Por que não? 

Créditos: Moreno Interiores - www.morenointeriores.com.br – Tel.  (11)4368-5713.
Leia também